Separação Conjugal

Quem enfrenta uma separação conjugal experimenta uma mistura de sentimentos: medo, frustração, abandono, raiva, culpa, solidão, impotência. É difícil encontrar alguém que lide bem com a separação.

Muitas pessoas tendem a negar seu sofrimento, mas negar é o caminho menos indicado, pois reprimindo-os, os sentimentos buscam outras formas de serem expressos, em geral através do corpo.

A separação ou divórcio podem ser experiências traumáticas, especialmente para quem está sendo deixado. Felizmente, uma psicoterapia pode auxiliar neste processo.

É importante que o indivíduo passe pelo processo de luto pelo fim do relacionamento para que consiga elaborá-lo de maneira saudável.

As recordações são inevitáveis, mas é preciso que elas sirvam de aprendizado e não que funcionem como fonte de ressentimentos e sejam vistas como um passado que precisa ser destruído.

É aconselhável que se busque uma rede de apoio neste momento, procurar os amigos é uma das formas.

Ficar solteiro também pode significar conquistar algumas coisas importantes que foram deixadas de lado por causa do antigo parceiro e possibilita a descoberta de novos interesses.

Voltar