(51) 9.9636-2919

contato@fernandapsicologa.com.br

Rua Professor Langendonck, 57/502

Petrópolis, Porto Alegre - RS

Capacidade de estar só

A quarentena me remeteu a um texto de Winnicott (psicanalista da escola inglesa, da segunda geração) que eu adoro: “A capacidade de estar só”. ⠀

Conseguir estar só é uma conquista que diz respeito não só à solidão real, mas também àquela solidão interna. ⠀

Estar só significa um ego integrado e uma internalização do objeto. O bebê adquire essa capacidade quando a mãe sai, mas o objeto interno é bom e estável o suficiente para tolerar a angústia da ausência. ⠀

É uma capacidade que denota o afastamento de defesas contra a ansiedade, como (paradoxalmente) a reclusão. ⠀

Portanto, é com nossas experiências em um ambiente suficientemente bom, que nos apresentou objetos bons, que adquirimos a confiança necessária para ficarmos sós. ⠀

Por isso que determinadas pessoas não toleram ficar em casa num final de semana e precisam estar sempre rodeadas de pessoas. São pessoas que tiveram falhas nesse momento do desenvolvimento e que não puderam conquistar a confiança necessária no objeto para aguentarem a solidão. ⠀

Pessoas que ficam muito tempo sozinhas e não conseguem socializar também podem ter a mesma falha, mas se utilizar de uma defesa contra o objeto para evitar novas frustrações. ⠀

Em todos estes casos, cabe ao psicólogo fornecer um ambiente seguro e fazer as vezes da mãe suficientemente boa para reparar as falhas anteriores. ⠀

Em tempos de isolamento forçado, fomos obrigados a colocar essa capacidade à prova.

Escrito por:
Fernanda Soibleman Kilinski

CRP: 07-19871 - Porto Alegre - RS

×
Close Bitnami banner
Bitnami